Blog

Confira as notícias
GRÉCIA SUAS UVAS E REGIÕES

Grécia Suas Uvas e Regiões


MACEDONIA THESSALIA E EPIRUS

Basicamente pode-se dividir o mapa grego das vinhas em três partes. Ao norte Macedonia, Thessalia e Epirus são os terroir que fazem fronteira com a Turquia, Bulgária, Albânia e Macedônia.

Região montanhosa com vinhedos de difícil acesso, climas de frios mesmo no verão. São os vinhos de Drama e Kavala, Halkidiki, Goumenissa, Naoussa, Amynteo, Rapsani, Zitsa e Metsov.

As vinhas da Macedonia foram as que mais sofreram com a filoxera, as guerras com a Turquia e as guerras mundiais, enfim, somente nas últimas décadas esforçados e jovens enólogos iniciaram a revolução nos vinhedos, procurando resgatar as uvas nativas e a introduzir castas chamadas de internacionais como a Merlot, Cabernet Sauvignon, Syrah e Chardonnay que fazem parceria com a nativa Xinomavro. Produz a perfeição nas encostas montanhosas com seus vários microclimas em face da altura, ventos e insolação.

O terroir é de montanha, altura média de 800 a mais de 1.000 metros, vários microclimas dependendo das encostas e da insolação. Difícil mecanização os vinhedos ficam às vezes em locais muito acidentados.

A Xinomavro cuja tradução e negra ácida produz vinhos bastante encorpados, tânicos e aromáticos com belíssimo potencial de guarda.

SETEREA ELLADA E PELOPONESO

Na parte central do país, incluindo a capital, temos planícies e planaltos, atura média de 300 a 400 metros e melhores condições de mecanização e acesso aos vinhedos.

Sterea Ellada e Peloponeso, incluindo aí Nemeia, terra de Hercules. Homero em seus escritos havia chamado à região de Ampelossa, cheia de vinhas.  Mais um terroir muito diverso, dependendo de onde estão os vinhedos, seja em aclive, declive, encostas ou montanhas. Falar na região central da Grécia é dizer da Agiorgitiko ou São George, uma tinta que está perfeitamente adaptada. Vinhos muito parecidos com a Pinot Noir e a Gamay. Tintos marcados pela cor, sedosos e aromáticos. Dizem que assim o são porque foram tingidos pelo sangue do leão que Hercules matou.

Nas partes mais altas em Mantinia a uva branca Moschofilero dá as cartas. Branca de casca vermelha como a Gewürtztraminer, a Vermentino e a Pinot Gris produz vinhos bastante aromáticos e florais.

Outra casta branca muito utilizada é a Savatiano, mais calma menos impositiva que a Moschofilero, mas que dá volume e mineralidade aos vinhos.

 AEGEAN ISLANDS

Mais ao sul e nas ilhas temos um terroir completamente diferente. Vinhedos plantados perto do mar, nas encostas, baías e ilhas. Predominantemente com uvas brancas nativas.

Chama-se a região de Aegean Islands, incluindo Rodes, Santorini e Creta.

Talvez a mais famosa de todas as ilhas seja a vulcânica Santorini que além de nos brindar com uma beleza indescritível, cedeu o nome ao conhecido vinho italiano Vin Santo, (vinho de SANTOrini), além de ser terra da uva Assyrtiko, uma branca muito especial pois mantém altos índices de mineralidade e acidez, mesmo em clima sabidamente ensolarado e quente no verão.

As uvas vêm destes vinhedos acima, conduzidos em forma de ninhos para a proteção dos cachos aos fortes ventos.

Não esquecendo que a cultura do vinho em Creta está entre as mais antigas do mundo.

A Assyrtiko tem caráter mineral com cachos grandes de cor  amarelo-ouro transparente e carne suculenta. No solo vulcânico de Santorini, parece haver algumas características únicas que a tornam única.

Outro importante destaque é que nesta região nasce e cresce a Muscade ou Moscatel, sim, ela mesma. Nas ilhas do sul da Grécia, incluindo Creta é berço de uma das mais importantes famílias de uvas que se tem notícia. Espalhou-se pelo mundo graças aos comerciantes de Veneza, hoje estão nas ilhas portuguesas, em Asti, norte da Itália, na Serra Gaúcha como a Moscato Giallo e por aí vai.

O Vin Santo tem uma história linda.

O Vinho Santo (Vinho de Santorini) elaborado com uvas desidratadas, em especialo corte Assyrtiko/ Aidani/ Athiri. Elaborados com uvas desidratadas.

O nome Vinho Santo vem de duas razões específicas. O berço da técnica de elaboração e a sua utilização nas missas celebradas pela Igreja Ortodoxa.

A origem do vinho e da uva são de Santo(rini) na ilha de Creta.

O Vin Santo, vinho é elaborado com uvas desidratadas no cálido vento típico de Santorini.

Na Igreja Ortodoxa, Igrejas independentes e não estão sob o comando do Vaticano, mas são ligadas na doutrina, na comunhão eclesiástica e no ritual. A celebração da missa e sacramentos é idêntica, variando apenas os cantos, a arquitetura dos templos, a arte iconográfica e a forma da cruz.

É exatamente aí que reside a importância histórica deste vinho. Ela era o vinho da comunhão na Igreja Ortodoxa. Por isto, também, chamado de Vin Santo.

Com o domínio do Império Otomano, os turcos no poder incentivaram a produção do vinho elaborado em Santorini, vinho doce feito a partir de uvas secas e os vendia para a Rússia, onde se tornou um dos principais vinhos na celebração da Missa da Igreja Ortodoxa Russa.

Como é elaborado?

As uvas são postas a secar ao vento em lugar com baixa umidade e assim ficam até se perderem água e ganhar açúcar, quando, então são vinificadas normalmente. Depois do vinho pronto ele vai para as barricas estagiar por 03 a 10 anos dependendo das uvas e estilo de vinho que se almeja.

As madeiras utilizadas pelos produtores vão nos trazer diferentes vinhos. Se de carvalho, nogueira ou outra madeira ou mesmo parte de cada vinificação em cada barrica, enfim, a mão do enólogo está sempre presente.

O estilo e as cores variam de acordo com a desidratação, as uvas e as barricas utilizadas.

PRINCIPAIS UVAS

SAVATIANO

A uva por excelência da região de Attica ao redor da capital Atenas. Perfeitamente adaptada aos rigores do verão, sempre quente, ensolarado e seco. Em Attica produz elegantes vinhos brancos, com aromas de frutos de polpa branca e com acidez correta.

Já em outras regiões não alcança este esplendor e entra em corte com as outras brancas, a Assyrtiko, principalmente.

ASSYRTIKO

 A mais importante, completa e complexa uva branca da Grécia. Podemos dizer que ela é para Grécia o que a Chardonnay é para a França ou a Chenin Blanc para a África do Sul. Uma uva que se participa de todos os estilos de vinho possíveis, desde brancos jovens aromáticos e refrescantes, passando pelo envelhecidos com aromas de nozes. Desde os vinhos tranquilos aos espumantes e vinhos de sobremesa.

Seu berço é a ilha de Santorini onde tem uma D.O.C Denominação de Origem Controlada somente para ela. Dependendo da condução e tempo de colheita a Assyrtiko, apesar do sol e calor inclementes no verão grego mantém acidez e frescor no ponto certo para excelentes vinhos.

Utilizada em corte com as Aidani e Athiri compõe o original e fantástico Vin Santo, Vinho de Santorini utilizado historicamente nas missas celebradas pela Igreja Ortodoxa Grega. Há a versão deste vinho, com outras uvas, feita na Itália.

 ATHIRI

Nos estudos dos ampelógrafos, os responsáveis pelo mapeamento genético das uvas, esta é  mais antiga uva da Grécia. Nativa, também da ilha de Santorini, como disse acima participa do clássico vinho doce Vin Santo. Também está espalhada pela Grécia. Em Rodes adaptou-se perfeitamente bem. Bastante aromática, pouco alcoólica e de acidez baixa.

MOSCHOFILERO

uva branca de casca vermelha, portanto, muito aromática ao estilo Pinot Grigio, floral e frutado ao mesmo tempo. Vinho com acidez muito interessante. Sua região de predominância é Mantinia, no Peloponeso.

AGIORGYTIKO

A grande uva tinta da Grécia. Agiorgitiko significa São Jorge. Está presente em todas as áreas gregas, porém é em Nemea no Peloponeso que ela se apresenta ao mundo. Uva de muitos recursos técnicos. Densa, com excelente carga de taninos e doçura. Lembra a Malbec, tanto na versatilidade quanto na adaptabilidade. Muito sensível aos diferentes micro climas ela se apresenta em vários estilos de vinhos.

XINOMAVRO

A nativa Xinomavro é uva da Macedonia. Xinomavro quer dizer preta ácida. Excelente carga tânica e acidez a tornam a grande uva para vinhos de guarda da Grécia. Algo como 08 a 10 anos de garrafa não fazem mal a ela. Toda a rebeldia do vinho jovem elaborado com esta uva torna-se um elegante vinho com a idade.

 

Compartilhe: