Blog

Confira as notícias
A ELEGÂNCIA DOS VINHOS DO DÃO

A Elegância dos Vinhos do Dão


A foto gentilmente cedida por Pedro Lima gestor do grupo The Holy Grape no facebook, que desde já indico,  é do vinhedo da Quinta da Passarela com a estupenda Serra da Estrela ao fundo.

O Dão. Com a majestosa Serra da Estrela ao fundo. Serra da Estrela, a serra nevada, a serra do queijo famoso que roda o mundo e a serra que influencia drasticamente na vida de Trás os Montes. 

Uma das mais fantásticas regiões produtoras de vinho de Portugal. Eu considero seus vinhos entre os mais elegantes e perfumados do mundo.

Viseu é a cidade central a ser visitada. Dali podemos percorrer os vinhedos que desde os Romanos sempre produziram vinhos de qualidade. 

A região logo abaixo do Douro é acidentada e protegida por cadeias de serras. Como a Serra do Caramulo, Buçaco, Nave, Açor e Estrela.

O que nos traz vários micro-climas essenciais para a diversidade dos seus vinhos.

O grande impulso na modernidade e qualidade dos vinhos do Dão deu-se com o ingresso do país na Comunidade Européia – CE em 1986. Este ano foi um marco para que a região abandonasse técnicas ultrapassadas, erradicasse castas indevidas. Passaram a respeitar o terroir, o senhor das vinhas, assim aproveitando-se de uma excepcional geografia para as vinhas iniciaram a trabalhar com as castas adaptadas e o resultado apareceu em pouco mais de uma década.

Nós brasileiros precisamos esquecer da invasão de décadas atrás de vinhos ordinários que vieram do Dão e invadiram as prateleiras dos supermercados. Estes vinhos de qualidade duvidosa fazem parte do passado.

Hoje há no Dão desde gigantes como a Dão Sul até produtores bastante pequenos, mas todos com a qualidade a aumentar a cada safra. Nada como o resgate de uvas nativas, perfeito domínio das técnicas de cuidado e condução dos vinhedos e, ao final, modernas vinícolas para nos trazer o que a região tem de melhor.

GEOGRAFIA

Região montanhosa, vinhedos plantados em alturas que variam de 400 metros até 700 metros. Clima frio no inverno com verão quente e seco e cortada por dois rios o Mondego e o Dão colaboram para as condições perfeitas para a vinha.

Esta geografia é pródiga em micro-climas assim cada parcela de vinha tem seu charme e caráter próprios. 

Os tintos são de corpo médio, álcool em torno de 12/13 graus, sedosos, lembrando os Pinot Noir, só que com mais vigor e dureza que este último.

Os brancos minerais, aromáticos e refrescantes. Melhores que muitos brancos da Borgonha que encontramos por aí a preços exorbitantes. Delicadeza é a palavra que expressam estes vinhos brancos.

PRINCIPAIS UVAS TINTAS

ALFROCHEIRO

Minha tinta preferida pode-se dizer que nativa do Dão, casta de bagos pequenos e cor preta, libera bastante cor aos vinhos e contribui com volume de produção, estrutura e vigor, aromas de frutos vermelhos e apta ao envelhecimento com saúde.

TINTA RORIZ 

A famosa Tempranillo chamada no norte de Portugal de Tinta Roriz e uma das uvas chave dos vinhos do Douro. Traz  aos vinhos corpo, taninos e vigor.

JAEN 

Chamada no noroeste da  Espanha de Mencia de onde veio. Agrega álcool, cor e aromas aos vinhos do Dão. Em casos especiais é vinificada sozinha por alguns produtores.

TOURIGA NACIONAL 

Esta parece estar espalhada por todo o país. Mas é aqui no Dão que ela se reveste de esplendor. É seguramente a casta mestra dos vinhos tintos do Dão. Vinhos de cor escura e aromas muito marcantes de frutos vermelhos. Bastante tânica produz vinhos com vocação para a garrafa e, quando domados, vinhos sedosos, firmes e com bastante volume na boca.

Nas uvas brancas temos:

ENCRUZADO

Uma das minhas uvas queridinhas de Portugal. Não há uma vez que eu não leve um vinho elaborado com ela. Manhosa, muito sujeita as pragas da umidade como fungos. Mas quando bem tratada e cuidada elaboram-se vinhos delicados, aromáticos, acidez firme, aromas de nozes e frutos secos.

Um vinho a ser sempre apreciado. Mesmo com a exuberância que apresenta quando jovem é uma uva que produz vinhos que envelhecem com muita saúde.

BICAL

Outra branca que produz vinhos esplêndidos. Nativa da vizinha Bairrada sempre agrega aos vinhos elegância (harmonia), aromas e acidez marcante. Sua cor citrina nos traz aromas de frutos de polpa banca.

 De qualquer modo os vinhos do Dão são equilibrados e harmônicos. Muitos dos quais a preços bem acessíveis mesmo no Brasil que costuma carregar de impostos e ganâncias de certas importadoras tornar caros o que não é em seus países de origem.

Vale a experiência e recomendo com muita ênfase os vinhos do Dão. 

 

Compartilhe: